Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O principal painel da conferência debateu a “exportação e revitalização da economia local” LUÍS BARRA

Saiba quem ganhou este ano os principais prémios de produção nacional agrícola a que o Expresso se associa

Do figo-da-índia ao queijo fresco, foram hoje, dia 27 de setembro, conhecidos os vencedores da quarta edição Prémio Intermarché Produção Nacional, um projeto que conta com o apoio do Expresso e que valoriza o que de melhor se faz no sector primário português. “Este ano tivemos mais 67% de candidaturas do que no ano passado. Os produtores mostram que estão preparados para assumir riscos”, sublinhou o administrador do Intermarché, Vasco Simões.

Enquanto o leitão confitado da Casa da Prisca, que conserva o sabor a forno de lenha depois de embalado, foi destacado na categoria Ideias com Potencial, a Inovação mostrou-se mais forte na Montiqueijo, que apresentou o novo queijo fresco em barra com os aromas de alecrim ou de manjericão e tomate.

Ainda no segmento dos queijos, a Elderink Laticínios (fundada pelo holandês Frans Elderink e pela esposa) foi premiada na categoria Produtos Transformados pela apresentação original do produto base – neste caso, o queijo fresco – como recheio de pimentos vermelhos. Na mesma categoria, a pastelaria Flor de Aveiro viu reconhecido o trabalho de recuperação de um bolo originário do Bussaco que estava há anos caído no esquecimento e que hoje, sob o nome de Morgado, tem ocupado a fila da frente de muitos concursos.

No plano da produção primária, os vencedores foram o arroz e o figo-da-índia. O trajeto da já bem estabelecida em Portugal Orivárzea na direção do mercado asiático –ironicamente, pioneiro e líder mundial na produção de arroz – e o crescimento galopante da Pepe Aromas – que no ano passado colheu as primeiras três toneladas de figo-da-índia biológico e projeta chegar a 30 toneladas em 2018 – não passaram despercebidos na análise do júri.

Houve ainda lugar para duas menções honrosas, uma para a produção de macroalgas num ecossistema ecológico e sustentável pensado pela Algaplus, em Ílhavo; e outra para a história de recuperação da Cooperativa A Lavoura, de Paços de Ferreira, que, depois de um período económico conturbado com a contribuição da crise na fileira do leite, hoje comercializa perto de 200 leitões bísaros por mês.

RUTE BARBEDO

Fonte: expresso.sapo.pt/economia/2017-09-27-Conheca-os-vencedores-do-Premio-Intermarche-2017